Aliados comemoram a decisão do Supremo Tribunal Federal

Agora aguardam a liberdade do ex-presidente Lula

Wellington Dias comentou a decisão do STF durante solenidade no Hospital Infantil

Wellington Dias comentou a decisão do STF durante solenidade no Hospital Infantil Foto: Ascom

Durante a solenidade de inauguração das reformas do Hospital Infantil Lucídio Portela, na manhã desta sexta (8), em Teresina, as autoridades presentes, como o governador Wellington Dias (PT), comemoraram a decisão do Supremo Tribunal Federal, que considerou constitucional a regra do Código de Processo Penal (CPP) que prevê o esgotamento de todas as possibilidades de recurso - trânsito em julgado da condenação - para o início do cumprimento da pena. “A decisão afirma a presunção da inocência em que ninguém poderá ser preso, exceto quando a ação transitar em julgado. Isso vale não apenas para Luiz Inácio Lula da Silva, mas para qualquer homem e qualquer cidadão brasileiro”, festejou  Wellington Dias. 

“Espero que não se crie nenhuma forma de burlar a Constituição e a própria decisão do supremo. Como todos os brasileiros, eu espero o Lula Livre”, defendeu. 

O presidente nacional do Progressistas, senador piauiense Ciro Nogueira, chamou de “viciado” o processo que condenou o ex-presidente do Brasil. "Justiça se pode até questionar, mas tem que acatar a decisão e tem que ser cumprida. Estou muito feliz com a saída de Lula. Foi um processo político, viciado e ele tem que ser solto. Tem que ser refeito esse processo. Ele tem que responder como qualquer cidadão, mas de uma forma correta e justa. O Lula é o político mais forte e identificado com o povo, principalmente no Nordeste. É uma força muito grande tê-lo no palanque. Eu gostaria de tê-lo", admitiu. 

Outro senador presente à solenidade, Marcelo Castro (MDB), afirmou que a Constituição Federal foi cumprida. "A Constituição diz que ninguém será considerado culpado sem sentença condenatória, transitada em julgada. Não há o que interpretar. Não se pode mudar o sentido das palavras. É estranho que cinco ministros tenham votado no sentido de interpretar a Constituição de forma errônea. Se querem mudar, não é no Supremo, mas no Congresso. O Supremo não pode fazer leis". 

O presidente do Partido dos Trabalhadores no Piauí, deputado federal Assis Carvalho, considera a ação contra Lula uma fraude. “É  um processo fraudado. Condenação sem prova. Interesse internacional para retirar nossas riquezas. A direita morre de medo do Lula. Se tem medo do Lula preso, imagina ele solto. Com a política absurda desse governo, os indicativos são positivos para o PT". 

Paulo Pincel

Dê sua opinião: