Franzé propõe a criação do Dia da Sensibilização à Perda Gestacional

Franzé propõe a criação do Dia da Sensibilização à Perda Gestacional

Deputado estadual Franzé Silva (PT)
Foto: Alepi O deputado Franzé Silva (PT) apresentou um projeto de lei na Assembleia Legislativa instituindo o dia 15 de outubro como o “Dia Estadual de Sensibilização à Perda Gestacional e Neonatal”. A matéria está na Comissão de Constituição e Justiça, onde deverá ser escolhido um relator na reunião marcada para a próxima terça-feira. “O projeto propõe a realização anual de palestras ou quaisquer outras atividades capazes de aumentar a conscientização sobre o impacto emocional da morte nos períodos pré, peri e neonatal na vida das famílias, além de promover a humanização do atendimento nos serviços de saúde”, assegura ele. Um estudo feito pelo gabinete do parlamentar indica que as estatísticas de tais perdas no Brasil não são seguras. Mesmo assim, estima-se que a prevalência da perda gestacional varia entre 15% a 20% nos casos clinicamente diagnosticados,  atingindo até 30% das gestações com diagnóstico bioquímico. A maior ocorrência se dá antes das 12 semanas gestacionais, podendo chegar a 22 semanas como sendo perda precoce. Se passado este período será considerado perda tardia. “Em nossa sociedade falar sobre a morte continua sendo um tabu, principalmente quando atinge fetos e bebês. A falta de conscientização sobre o tema faz com que as mães e pais sofram mais ainda . É necessário, em respeito ao luto, realizar ações que tragam informações e possibilitem às famílias acolhimento e cuidado em um momento tão especial”, defende. Franzé Silva explica que 15 de outubro foi o dia escolhido nos Estados Unidos, ainda em 1988, porque é neste mês que os americanos realizam eventos para lembrar a necessidade de sensibilização diante da perda gestacional ou neonatal. “Associado à data, foi instituído o “Wawe of light”, uma ação onde mães, pais e famílias acendem uma vela às 19 horas do dia 15 para lembrar e homenagear os filhos. No Piauí, temos o grupo ‘Reviver’, criado em 2015 pela contadora Lucélia de Carvalho Rocha, que abriga 50 ‘mães de anjo’, como costumam se chamar”, ressaltou Franzé Silva. Fonte: Alepi/Durvalino Leal

Dê sua opinião:

Veja Também