Alepi

Presidente impulsiona programa criado na gestão de Henrique Pires

Jair Bolsonaro pretende beneficiar cerca de 40 milhões de pessoas com abastecimento de água

Henrique Pires comandava a Funasa quando implantou  programa

Henrique Pires comandava a Funasa quando implantou programa

O presidente do Brasil Jair Bolsonaro impulsionou o Programa Nacional de Saneamento Rural - PNSR- que agora passa a se chamar Saneamento Brasil Rural. O programa foi criado a partir de um convênio com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) durante a gestão do piauiense Henrique Pires como presidente nacional da Funasa. A parceria com a UFMG foi firmada em fevereiro de 2015. "É uma ótima notícia saber que os frutos do nosso trabalho na Funasa estão sendo colhidos e agora com o impulsionamento dado pelo Governo Federal tem tudo para chegar a mais e mais pessoas", afirmou o deputado Henrique Pires (MDB).

Cerca de 40 milhões de pessoas, de áreas rurais do país, serão beneficiadas com abastecimento de água, instalações de água e esgoto, esgotamento sanitário e manejo de resíduos sólidos. O objetivo é universalizar o acesso ao saneamento básico em áreas rurais e estima-se que beneficiará 39,73 milhões de habitantes (21% da sua população residente). O é vinculado ao Ministério da Saúde e tem metas a serem cumpridas até o ano de 2038.

Segundo o deputado o programa começou a ser delineado em 2014 com processo de planejamento e diretrizes e em 2015 o convênio com a Universidade foi assinado partindo para os estudos e a execução do trabalho técnico aconteceu em setembro do mesmo ano. Durante 2017 foram realizadas oficinas em cada macrorregião do Brasil em 2017.

"Agora todo esse trabalho foi coroado com a continuidade dada pelo presidente Jair Bolsonaro mostra o quanto a Funasa trabalhou de forma correta e séria. Temos que parabenizar Rodrigo Sérgio Dias pela continuidade do programa e Ronaldo Nogueira pelo lançamento do programa junto com o presidente Bolsonaro", acrescenta o deputado que foi presidente nacional da Fundação entre 2014 e 2017.

Fonte: Ascom

Dê sua opinião: