PODER

Idoso de 92 anos é o primeiro a morrer na fila de espera por leito de UTI em Teresina

Francisco Xavier de Sousa resistiu por sete dias internado no Hospital da Primavera

Francisco Xavier de Sousa, 92 anos, morreu na fila de espera por vaga de UTI em Teresina

Francisco Xavier de Sousa, 92 anos, morreu na fila de espera por vaga de UTI em Teresina Foto: Reprodução

O Piauí registrou na manhã desta segunda-feira (22) a primeira morte na fila de espera por leito de UTI. Francisco Xavier de Sousa, 92 anos, resistiu por uma semana num leito isolado do Hospital da Primavera, na zona Norte de Teresina, mas morreu às 5h30 de hoje sem conseguir vaga em nenhum hospital publico ou privado na capital.

“Ele passou sete dias internado, sem assistência, sem aparelhos, o que a gente podia fazer a gente fez, compramos aparelho, máscara facial, contratamos fisioterapeuta. Ele iniciou os sintomas no dia 1º de março, levamos numa UBS e não conseguimos atendimento, então optamos por fazer o teste particular e fomos em uma farmácia. Levamos para o hospital onde foi feita a medicação e levamos para casa. Aqui foi feita toda a assistência, mas ele desenvolveu pneumonia”, detalhou a neta de Francisco, Érica Luane.

Francisco Xavier de Sousa, 92 anos, estava internado no Hospital da Primavera, em Teresina
Foto: Reprodução 

No final de semana, 187 pessoas aguardavam por leito de UTI em Teresina, apesar da ampliação de 73 leitos clínicos, 10 leitos de estabilização e 15 leitos de UTI para pacientes com Covid-19, num total de 190 leitos clínicos, 12 leitos de estabilização e 63 leitos de UTI. Todos os hospitais da capital estão com 100% de ocupação nos leitos para Covid-19.

Em nota a Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina informou que “foi dada toda assistência necessária ao paciente Francisco Xavier de Sousa. Ele ficou em leito isolado e recebeu atendimento da equipe médica do Hospital da Primavera durante todo o tempo em que esteve na unidade. Começou usando cateter nasal e evoluiu para o uso da máscara reservatório (com oxigênio)”.

Na nota, a FMS esclarece que não houve diminuição de oxigênio para o paciente e que ele acabou precisando de leito de UTI. “A unidade hospitalar então solicitou, via regulação de leitos online, a remoção do paciente para unidade que tem UTI, pois lá na Primavera só tem leito clínico. Infelizmente devido à alta demanda de pessoas precisando de leitos de UTI na capital, o paciente veio à óbito antes de conseguir a vaga”.

Fonte: FMS

Dê sua opinião: