PODER

DHPP conclui inquérito, mas Judiciário decreta sigilo sobre a morte de Firmino Filho

As 517 páginas do inquérito, com provas materiais e 17 depoimentos, foram encaminhadas ao Ministério Público e ao Judiciário

Firmino Filho se tornou uma liderança política no Piauí

Firmino Filho se tornou uma liderança política no Piauí

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Secretaria de Estado da Segurança Pública concluiu o inquérito policial instaurado para investigar a morte trágica do ex-prefeito de Teresina, Firmino da Silveira Filho, após cair do 14º andar do Edifício Manhattan River Center, na Avenida Senador Arêa Leão, no São Cristóvão, na zona Leste da capital, onde ele trabalhava como auditor fiscal do Tribunal de Contas da União (TCU), na tarde de 6 de abril.

As 517 páginas do inquérito, presidido pelo delegado Divanilson Sena, com provas materiais e depoimentos de 17 pessoas ouvidas no DHPP, foram encaminhadas ao Ministério Público e ao Judiciário, que decretou sigilo sobre o conteúdo e a investigação. Ou seja, a população de Teresina, os amigos e correligionários de Firmino Filho vão continuar sem a versão oficial dos fatos, sem saber o que houve naquela triste tarde de 6 de abril, quando a cidade foi sacudida pela notícia da morte do "prefeito criança", que comandou o Palácio da Cidade por quatro mandatos.  

"O inquérito foi concluído. Está muito bem instruído, com todos os atos periciais e oitiva de pessoas. Foram 17 pessoas ouvidas, inclusive fora do estado do Piauí. As provas em si se harmonizam e esclarecem todas as circunstâncias do fato que levou à morte do ex-prefeito Firmino Filho, aquela morte violenta. Contudo, não podemos adentrar o mérito da investigação, devido que no decorrer da investigação o presidente do inquérito teve que representar por medidas cautelares, o que levou o magistrado a decretar o sigilo da investigação",revelou Baretta.

Para o coordenador do DHPP, as circunstâncias da morte de Firmino estão completamente esclarecidas, mas o Ministério Público pode solicitar novas diligências.   

"A investigação está completa, não resta nenhuma duvida dos fatos que ocorreram aquela morte violenta. Todos os fatos estão completamente esclarecidos. Foi remetido ao poder Judiciário e o meritíssimo juiz deve estar abrindo vistas ao Ministério Público, que vai fazer toda a análise e vai verificar a necessidade de outras diligências e, havendo, ele vai ter que mensurar. No meu entendimento, há toda uma explicação lógica em relação aos autos", acrescentou o delegado.

Hoje será celebrada a missa de um mês da morte do ex-prefeito de Teresina.

Fonte: DHPP

Dê sua opinião: