Sessão solene marca o Dia Estadual da Consciência Negra na Alepi


Deputada estadual Flora Izabel (PT)
Foto: Paulo Pincel

Foi realizada na manhã desta terça-feira (10), no Plenário da Assembleia Legislativa, sessão solene pela passagem do Dia Estadual da Consciência Negra, comemorado no dia 6 de setembro, e em homenagem aos 10 anos de fundação do Instituto da Mulher Negra Yabás. Na oportunidade autora do requerimento convocando a sessão solene, deputada estadual Flora Izabel (PT), defendeu a necessidade de os parlamentares federais e estaduais destinarem emendas para instituições que trabalham pelo fim da explocação e contra a discriminação contra a população negra.

“Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 80% das vítimas de homicídios no Brasil são negros e 75% das mulheres vítimas de feminicídio são negras. Os negros sofrem preconceitos em todas as esferas e é preciso que nós trabalhemos para combater isso. Por isso é necessário cobrar dos nossos parlamentares federais, estaduais e municipais a destinação de recursos para instituições que combatem isso”, propôs Flora Izabel.

A parlamentar lembrou a história da escrava Esperança Garcia, que marcou a história ao escrever uma carta destinada ao Governador do Piauí em 1970, relatando os maus tratos que eram cometidos contra ela. A Ordem dos Advogados do Piauí concedeu a ela o título de primeira mulher advogada do Piauí.

Delegada da Mulher, Vilma Alves
Foto: Paulo Pincel

Participaram da sessão solene a superintendente de Direitos Humanos da SASC, Janaína Mapurunga; a diretora administrativo-financeiro da vice-governadoria, Conceição Bugija; o defensor público do Núcleo de Direitos Humanos Igor Castelo Branco; a suplente de senadora Rosário Bezerra; o professor doutor José Luís Oliveira e Silva; a diretora de assuntos estudantis da UESPI, Iraneide Soares; o presidente da Comissão da Verdade da Escravidão Negra da OAB Piauí, Edilson Sepulveda; a delegada especial de proteção dos direitos da mulher, Vilma Alves; a integrante do Instituto da Mulher Negra Yabás, Sonia Terra; o representante do Conselho Estadual da Igualdade Racial, Assunção Aguiar; a coordenadora do Fórum de Mulheres Negras, Profa. Aldaci Regina; o coordenador adjunto do Comitê de Educação, Prof. Raimundo Dutra e a coordenadora da Rede de Religiões Afro-Brasileiras, Mãe Elfrasina.

Diretora de movimento social defende políticas públicas em defesa dos negros

O apoio dos deputados estaduais à aprovação de políticas públicas favoráveis à defesa dos negros foi defendido, hoje (10), pela diretora do Movimento Cultural Coisa de Nêgo, Assunção Aguiar, ao falar na sessão solene alusiva ao transcurso do Dia Estadual da Consciência Negra, que transcorreu no último dia 5. Ela disse que a comunidade negra precisa de políticas que combatam a intolerância contra os praticantes de religiões de raízes africanas e o extermínio de jovens negros através da violência.

Assunção Aguiar afirmou que estava feliz em participar da sessão solene em homenagem à comunidade negra e citou a líder Esperança Garcia, dizendo que ela foi ousada ao encaminhar carta ao governador da Província do Piauí no século 18 cobrando o fim da escravidão no Estado. “A luta ainda é grande, por isso precisamos que os nossos deputados estejam comprometidos com a nossa causa”, declarou ela.

A diretora do Movimento Coisa de Nêgo disse que é importante que as pessoas saibam que “somos negros durante todos os dias do ano e não somente no Dia da Consciência Negra”. Ela denunciou ainda que guardas municipais estão impedindo que os negros tenham lazer na periferia de Teresina, pois vão aos bairros fechar bares em que a comunidade se diverte, principalmente ao som de reggae.

Para Assunção Aguiar, a atuação dos guardas municipais não pode continuar prejudicando os jovens negros e ela concluiu defendendo a formação de uma parceria com os parlamentares estaduais para a aprovação de políticas públicas favoráveis à população negra.