Oposição quer a Comissão de Educação, Saúde e Cultura


A Assembleia Legislativa do Piauí está em fase de definição das comissões técnicas. As bancadas do Governo e da Oposição dialogam sobre quem comandará essas comissões, por onde passam todos os projetos relacionados ao Executivo e Legislativo estaduais.

A deputada estadual Teresa Britto (PV), vice-líder da Oposição na Casa Legislativa, comenta as prioridades

A deputada Teresa Britto defende que a pequena oposição tem direito 

do bloco na escolha das comissões técnicas. “A Oposição não abre mão da Comissão de Educação, Saúde e Cultura. As comissões mais importantes, de maior peso na Casa, ficaram com a bancada do Governo, mas nós também temos o direito, mesmo em menor número, de escolher qual comissão vamos presidir”, comenta.

A parlamentar destaca, ainda, que a Oposição tem o diálogo como principal forma de resolver a questão. “Queremos definir tudo isso por meio do diálogo, mas, se não for possível, vamos definir por votação. Se perdemos, acionaremos na Justiça o cumprimento do Regimento Interno da Casa e, sem dúvidas, a sociedade estará ciente de todo o esforço que fizemos em prol do povo piauiense”, afirma.

Num primeiro momento, os deputados definiram a presidência das quatro principais comissões técnicas da Casa. O deputado Wilson Brandão (PP) presidirá a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), tendo como vice o deputado Henrique Pires (MDB). Já a Comissão de Administração Pública e Política Social será presidida pelo deputado Severo Eulálio Neto (MDB). O deputado Nerinho (PTB) presidirá a Comissão de Fiscalização e Controle, Finanças e Tributação, e o deputado Georgiano Neto (PSD) comandará a Comissão de Infraestrutura e Política Econômica. No entanto, a Oposição afirma que, caso o consenso não prevaleça, o bloco vai optar pela votação para redefinir a presidência das comissões de Constituição e Justiça; Educação, Saúde e Cultura; Finanças e Tributação e de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Ascom